EMPREENDER, É REALIZAR SONHOS

28 de maio

Ser um empreendedor é o sonho da maioria das pessoas. A expectativa é ter maior independência, liberdade e melhores perspectivas financeiras. Muitos passam a vida inteira sonhando, mas falta-lhes coragem para tomar o passo decisivo. Sonho não se desperdiça, se realiza.

O que impede que essas pessoas realizem seus sonhos?

A maior dificuldade encontrada é a própria ideia do negócio. Todos ficam aguardando a chegada da ideia genial, que nunca se realiza porque bloqueios mentais procrastinam os projetos. Enquanto isso a vida passa, frustrações aparecem e o tempo não retroage.

Se arrependa do que deixou de fazer, nunca do que fez para perseguir projetos de vida.

Acredite no sonho, siga em frente. A não ser que seja um iluminado e tenha muita criatividade, esqueça por um momento a ideia genial e crie sua empresa com um negócio que tenha relação e afinidade com sua aptidão.  Analise os concorrentes, pesquise clientes, descubra expectativas e crie valor percebível pelo mercado. Se não houver diferencial algum, a única forma de competir é no preço onde todos se igualam, margens caem e não há fidelidade.

Com o negócio montado, fique atento às oportunidades e esteja pronto quando elas aparecerem. Com as novas tecnologias e indústria 4.0, alguns produtos e negócios sairão do mercado, outros surgirão ou serão afetados pela mudança de hábitos da sociedade moderna. Pense um passo à frente. Esteja preparado para agir e tomar decisões rápidas para que seu negócio ou produto não fique obsoleto e fora do mercado.

Crie valor ao seu produto, atendimento, embalagem que atenda às necessidades e perspectivas do mercado. Valor agregado reconhecido pelo mercado faz toda a diferença.

Grandes empresas mundiais, como Sony, HP, Johnson & Johnson, começaram com produtos totalmente diferentes dos que as fizeram se tornar líderes mundiais.  Foram ajustando seus modelos de negócios de acordo com as oportunidades que apareciam.  

Definido o negócio é hora de pensar no capital disponível.  Esse é mais um motivo de insegurança e desistência.  O ser humano tem aversão ao risco e a perdas. Desde a idade da pedra o mundo é um ambiente hostil. Corremos todos os riscos possíveis seja dentro de nossas casas ou ao simples cruzar de rua, nem por isso ficamos enclausurados. Hábitos fazem com que tomemos medidas de segurança intuitivamente sem perceber. Na empresa não vai ser diferente. Olhe para os lados, para o semáforo, e ao sinal verde de o passo à frente.

Nós fomos educados que é inadmissível perder, que é inadmissível o fracasso, mas a vida real não funciona assim. Com medo, não vai assumir riscos, vai hesitar nas tomadas de decisões e vai perder oportunidades que serão aproveitadas pelos outros. Não há ganhos, sem riscos. “Não deixe passar o cavalo encilhado” que passa em sua frente.

Investimento em empresas e negócios é definido como capital de risco. Mas o mercado financeiro não é diferente, seja na compra de ações ou os contratos de fundo de investimentos, igualmente há riscos. Se um fundo de investimentos realizar perdas é compartilhado com participantes. Investir em imóvel é seguro, mas nem sempre valoriza adequadamente, há gastos com manutenção e o preço de venda é depreciado com o tempo. Então não há saída. Arrisque o capital em sonhos e na sua realização pessoal, o que te deixar feliz.

A maioria das empresas, inclusive grandes multinacionais, já conviveram com fracassos em algum momento, mas foram resilientes e deram a volta por cima, pois sempre há uma saída.

Hoje com a tecnologia ficou mais fácil que no passado, pois temos diversos mecanismos para avaliar riscos com variáveis de incertezas, e ainda na rede há muitas informações sobre o mercado.

Um índice grande de empresas, seja aqui no Brasil ou nos Estados Unidos, não duram mais que cinco anos, por deficiência na estrutura de capital ou de gestão financeira inadequada. Mas isso é uma estatística que pode ficar longe da realidade, se o projeto estiver bem fundamentado e bem gerido.

Empreender pensando apenas nos lucros ou ficar rico em curto prazo é um equívoco. O lucro não é um fim, é consequência do processo. Se usar toda energia e entusiasmo na gestão de pessoas, mercado e processo, a rentabilidade virá naturalmente.

A formação de preços, margens e estrutura de custos fixos, vai determinar o lucro ou prejuízo. Mas o que vai garantir sua sobrevivência de curto prazo é a geração de caixa, obtido com administração eficiente do ciclo econômico financeiro, autofinanciamento e necessidade de capital de giro. Quanto maior o custo fixo, maior é o risco do empreendimento.

Mesmo que seu empreendimento seja pequeno, é importante já começar estruturado, com um planejamento estratégico, operacional e fluxo de caixa de curto, médio e longo prazo e acompanhar, para que possa antecipar oportunidades e ameaças e corrigir os rumos no tempo adequado.

Esteja preparado, que a vida de empreendedor embora gratificante é trabalhosa, difícil e nem sempre vai melhorar sua qualidade de vida. Mas com certeza melhorará a autoestima com o sonho realizado.

A vida é cheia de obstáculos, mas não deixe que eles roubem seus sonhos, vá em frente de forma planejada com obstinação e resiliência, que o sucesso lhe espera logo ali.

Celso Tauscheck

Consultor financeiro, empreendedor e palestrante

www.totalconsultores.com.br