REFLEXÕES DE UM LÍDER

28 de maio

Outro dia encontrei José Manoel, antigo colega de trabalho e amigo. José Manoel, sempre foi respeitado como um grande gestor e líder em todas as empresas e atividades que exerceu ao longo dos anos de sua vida.

Eu o conhecia bem para saber que José Manoel não gostava muito de “rótulos”, muito menos definições preconceituosas, tais como chefe x líder, direita x esquerda, guerra x paz.  Com o hábito diário de todas as noites, em silêncio, treinar seu cérebro meditando sobre temas antagônicos, faz análise mental das várias versões contraditórias sobre o mesmo assunto, talhando-o como uma pessoa que tem o equilíbrio necessário para não ser seduzido pela primeira informação que recebe.

José Manoel é uma autoridade para falar sobre liderança porque além de sua experiência e fama, com certeza já refletiu muito sobre o assunto.

Perguntei-lhe quais os atributos necessários para um bom líder:

Equilíbrio emocional. Envolver e participar com o grupo em busca de um objetivo comum.

Todos nós nascemos iguais, mas no decorrer de nossa vida somos influenciados por eventos que afetam os estados emocionais e prejudicam nossa vida pessoal e profissional.

Infelizmente a sociedade atual tem gerado mais pessoas com problemas de narcisismo e baixa estima do que realmente pessoas seguras e equilibradas emocionalmente. Enquanto os narcisistas querem ser o centro do mundo, os de baixa estima não tem confiança própria e sofrem por fatos ocorridos no passado.  Ambos são inseguros e dependentes de aprovação social.

Um exercício de reflexão e reestruturação emocional é importante para não passarmos a vida prejudicados com ilusões ou atrelados a um passado que não existe mais ou de um futuro que ainda não chegou.

José Manoel continuou sua narrativa: Todos os seres humanos necessitam de um ideal ou objetivo para lutar, que lhes deem sentido as suas vidas. Quem trabalha por um propósito, trabalha com mais paixão, feliz, é mais produtivo, então porque não criar e negociar uma sinergia entre as aspirações do grupo com os da empresa?

 Se as pessoas não sentirem parte do projeto ou com perspectivas, o envolvimento e comprometimento é prejudicado, a produtividade cai e a rotatividade aumenta.

A formação de uma equipe coesa, comprometida com o todo, interativa, não alavanca apenas a empresa, mas também a carreira do gestor líder, e dos colaboradores. Todos ganham.

Outra questão que prejudica muitos profissionais é a procrastinação. Todos nós procrastinamos, deixamos de fazer várias coisas quando estamos fazendo alguma tarefa. Porém há pessoas tem uma dificuldade maior quando tem que fazer algo que não gosta. Estudos mostram que logo que começamos a fazer uma coisa que gostaríamos de não fazer, o desconforto passa de imediato.

 O humor e alegria no trabalho são contagiantes e importantes para desenvolver criatividade e harmonia do grupo e reduzir a procrastinação. Um ambiente bom e alegre melhora a produtividade e autoestima do grupo. É importante o gestor compreender que trabalhar sério é diferente de assumir responsabilidades com seriedade.

A criatividade envolve pensar diferente, fora do “frame” apresentado. Quem pensa igual a todos não faz a diferença, vai apresentar os mesmos resultados da maioria. Uma das formas de se destacar é pensar abstratamente, pensar o que nunca foi pensado antes.

 Por não saber pensar de forma criativa e fora do contexto, ter dificuldades em resolver problemas, assumir riscos e tomar decisões, muita gente talentosa se perde no meio do caminho.

Fomos educados desde a infância para ganhar sempre, nunca perder. Essa ideia nos leva aos bloqueios mentais quando precisamos decidir e assumir riscos. É importante refletir que maioria dos gestores e líderes de grandes empresas já tomaram decisões erradas em algum momento, ninguém acerta sempre.

 Em um campeonato de futebol, dificilmente um time será campeão se não tiver uma equipe entrosada e harmoniosa; nem se imagina ganhar cem por cento das partidas. Quando perde uma, o grupo analisa os erros, treina, corrige, e vai para a próxima partida com uma nova estratégia definida. O campeão, sempre será o time que ganhar mais do que a média.

Se um líder tiver receio de errar, não vai assumir riscos, consequentemente perderá oportunidades.

O sucesso está atrelado ao processo estabelecido para atingir os objetivos e os resultados esperados pela empresa ou organização. O sucesso depende diretamente do envolvimento e comprometimento do grupo e de uma liderança equilibrada e confiável.  O líder tem que ser claro e seguro ao negociar com sua equipe as regras do jogo, as atribuições e o que se espera de cada colaborador, como estabelecer autonomia, responsabilidades, metas e prazos.

Foi feita uma pesquisa com um campeão mundial russo de salto de varas, que conseguia acertar 8 entre cada 10 tentativas. A pesquisa era fazê-lo saltar sem a vara e testar se manteria a mesma performance. Terminado o salto perguntaram ao saltador como foi o resultado. Ele respondeu que mantivera a mesma performance de sempre. Entretanto, dos 10 saltos havia ultrapassado a marca em apenas 4. Simplesmente a falta de referência gerou um relaxamento.

A vida é como uma escada, com ela você pode chegar ao topo. Subir uma escada envolve riscos. Para chegar ao topo, precisa dar o primeiro passo em direção ao degrau base. Não há nada mais gratificante e emocionante que ao final de cada etapa ou objetivo conquistado ver o grupo se sentir como parte do sucesso, vibrar, feliz, descontraído, pela vitória conquistada.

Celso Tauscheck

Consultor, empreendedor, Palestrante.

www.totalconsultores.com.br